Chama, aplicativo que atua como marketplace de venda de gás de cozinha, reforça equipe de marketing

A proposta é ganhar mercado e ampliar a presença atual em sete capitais para 16 até o fim do ano

Rio, 11:36 28/02/2020 – Com a missão de oferecer a comodidade de ter a tecnologia na palma da mão para o serviço de entrega de gás do Brasil, a startup Chama foi lançada em 2016 e está presente em sete capitais brasileiras. O modelo de negócio foi provado no ano passado e, em 2020, os planos da empresa incluem ganhar participação nos mercados onde atuam e expandir sua atuação para mais nove capitais até o final do ano. A escolhida para liderar o time de marketing que apoiará esse movimento foi a mineira Carolina Lima.

Carolina Lima: “Ao entrar no mercado de startups, eu queria trabalhar por um propósito, que é estar em um lugar que vai impactar positivamente a vida das pessoas. O gás é um item fundamental no nosso dia a dia, não pode ser substituído e pesa no orçamento das famílias.”

Com mais de 15 anos de mercado, Carolina foi head de Marketing da startup Gympass e acumulou anos de vivência em empresas líderes de mercados mais tradicionais, como Motorola, Whirlpool e BRF. “O fato de já ter passado por setores e mercados diversos contribuiu para entender os negócios e os efeitos do marketing por diferentes ângulos, tanto das empresas tidas como tradicionais, com investimentos mais conservadores, como do mundo das startups que têm essa necessidade de crescer exponencialmente, sem perder de vista a rentabilidade, sendo ágeis, criativas e trazendo, de fato, soluções que vão ajudar o dia a dia do consumidor”, comenta.

Foi esse um dos valores que atraíram Carolina para o Chama: a tecnologia provou conseguir melhorar a vida de classes que nem sempre são privilegiadas no lançamento de novas soluções. “Ao entrar no mercado de startups, eu queria trabalhar por um propósito, que é estar em um lugar que vai impactar positivamente a vida das pessoas. O gás é um item fundamental no nosso dia a dia, não pode ser substituído e pesa no orçamento das famílias. No Brasil, 98% dos domicílios utilizam gás de botijão e os consumidores sofrem muito com as suas oscilações de preços. Além disso, todo o processo de compra parece ter parado no tempo até a chegada do Chama. Quem aqui não lembra do imã de geladeira? Imagina ligar para 10 revendedores para buscar o melhor preço? Fazemos isso em uma tela com o nosso aplicativo que já esteve na mão de mais de 5 milhões de pessoas.”

Para isso, segundo a executiva, o principal desafio não é gerar demanda pelo produto em si, mas difundir uma nova maneira de se relacionar com o mercado, tanto para os consumidores como para os revendedores. “O Chama praticamente introduziu a tecnologia e inovação na área de compra e venda de gás, que ainda está ligada àquela coisa de bairro, de pequenos revendedores, que têm seus negócios de forma ainda muito intuitiva. O que queremos realizar, como marketing, é exatamente essa conexão, para entender as necessidades de cada agente e conseguir pensar em estratégias para todos”.

Em 2017 e 2018, o aplicativo tomou as telas das TVs com campanhas irreverentes e divertidas, que trouxeram paródias e um botijão carismático que conquistaram os consumidores e faziam todos esquecerem da tristeza de ver o gás acabar enquanto estão cozinhando. As campanhas renderam um bom nível de conhecimento de marca e garantiram o crescimento do negócio. Em 2019, a estratégia foi trazer conversão de usuários e a marca focou seus esforços em meios digitais, consolidando os mercados em que atua.

Agora, o desafio da executiva será levar o aplicativo para outros milhões de pessoas e, para isso, pretende jogar com toda a força do marketing. “Investimos muito em mídia nos últimos anos e, em 2020, voltaremos a ter campanhas de alto impacto, mas além disso, acredito em trabalharmos ao lado dos nossos revendedores, com iniciativas cooperadas, além de explorar todo o potencial do nosso produto para reter e atrair novos consumidores”.

Como head de marketing, seu trabalho, afirma ela, será focado também em potencializar e unir talentos. “Estamos organizando um time que vai impactar todas as áreas da companhia. Eu acredito muito no marketing nesse sentido e como um grande aliado para a expansão do Chama, vamos fazer quase que uma volta às origens da profissão, que é estar conectada e contribuindo em todos os processos, desde a idealização de atributos do aplicativo, até a relação com o fornecedor e com o usuário”, enfatiza.

Capilaridade do sistema

Disponível no Google Play e na App Store, o Chama é um marketplace que conecta revendedores de botijões de gás a clientes. Lançada em dezembro de 2016, a empresa reúne em um único ambiente mais de 2.000 revendedores regulamentados pela Agência Nacional do Petróleo (ANP). Em apenas alguns cliques o usuário pode solicitar o serviço oferecido pela empresa e escolher o fornecedor que mais lhe agradar – selecionando informações como: valor cobrado, tempo de entrega e marca do produto. O serviço está presente em São Paulo, Recife, Florianópolis, Belo Horizonte, Brasília, Curitiba e Porto Alegre.