More Than Real aposta na expansão do conceito de realidade aumentada para alavancar varejo no período pós-pandemia

Aplicações em pontos de venda ou mesmo no ecommerce serão ainda mais empregadas para expandir vendas das empresas

Rio, 30/06/2020 – O cenário do modo de operação das empresas e comércio em geral se transformou totalmente em razão da pandemia da Covid-19. Mesmo com o comércio de rua e shoppings funcionando parcialmente em alguns estados, as marcas que querem ser preservadas precisam se reinventar, buscar alternativas e formatos diferentes para engajar os consumidores, que relutam sair de casa sobretudo aqueles que podem trabalhar no sistema home office.

Marcos Trinca, Head de XR da More Than Real

As novas tecnologias que surgem na esteira da Inteligência Artificial, e que se materializa pela Internet das Coisas, oferecem modelos de soluções que aprimoram a prestação de serviço e o engajamento da marca, oferecendo uma melhor experiência aos consumidores nesse momento.

Bom exemplo é o da More Than Real – desenvolvedora de soluções de realidade aumentada – que permite que as marcas possam criar ações por meio de tecnologias imersivas (AR e VR), soluções de customer experience, experiências em redes sociais ou aplicações que interferem na jornada dos usuários/clientes, tecnologias imersivas em geral com foco em varejo e marketing, como também sobre o ARCommerce, e também como estimular vendas no e-commerce com a realidade aumentada. O momento pede por inovação mais rápida do que nunca. Esses novos formatos estão alterando a forma de impactar o público de interesse das grandes marcas, e a tecnologia de AR tem um papel transformador na experiência dessas pessoas.

O portal IoT40 solicitou ao Marcos Trinca, Head de XR da More Than Real, que nos esclarecesse a respeito destas soluções e desse exemplos do uso prático destas ferrramentas no dia a dia das empresas, em razão deste “Novo Normal” que teremos no período pós-pandemia. Boa leitura.

IoT40 – A realidade aumentada, More Than Real, permite que as marcas possam criar ações por meio de tecnologias imersivas (AR e VR) etc. Dê exemplos de quem já está usando esta tecnologia e quais segmentos podem adotá-la?

Marcos Trinca> Todas as empresas que querem oferecer uma melhor experiência de compra para seus usuários podem apostar nas tecnologias imersivas que a More Than Real oferece para o mercado. Algumas marcas que já trabalharam com a gente: Supermercado Extra – Case de Páscoa 2019, 1 milhão de reais em venda incremental segundo o próprio pessoal do Extra (veja o vídeo https://youtu.be/BXpmg6y41y4 ); Natura, Avon, Boticário, MAC Cosméticos. Com essas ferramentas, as pessoas puderam testar, por exemplo, conjuntos de maquiagem no rosto por meio da realidade aumentada e ver o resultado real de como ficaria aquele produto nela. Na Mitsubishi e Citroen as pessoas podem ver lançamentos de carros das marcas em tamanho real, para que elas conhecessem de perto o modelo, como se estivesse na frente delas. Esses são alguns exemplos, mas podemos citar também a Trident, Rock In Rio 2019, Nestlé, Itaú, Visa, Mastercard (EUA), LATAM Airlines (Brasil e Peru), Coca-Cola (Brasil e Europa), entre outros.

IoT40 – Como se pode estimular vendas com realidade aumentada? E em quais segmentos esta tecnologia pode criar uma sinergia inigualável com o consumidor? O ARCommerce parece uma “viagem” interessante. Alguma plataforma, aplicativo, ou site já adota essa ferramenta?

MT> A realidade aumentada é muito versátil. As pessoas podem testar um produto em suas faces, como uma maquiagem por exemplo, podem ver objetos 3D projetados em suas casas – com um carro ou um móvel – e sentirem esta proximidade, como se o produto estivesse realmente presente na frente delas, podem assistir a um vídeo ou brincar com um game. Podemos também vincular uma experiência a uma peça OOH, ou mesmo o oposto, iniciar na RA e depois levar as imagens para painéis digitais ou interativos, como no caso do case que realizamos para Close-up (ver vídeo com case aqui: https://youtu.be/-qmu9oqmOkI

Tanto empresas de cosméticos quanto de bens de consumo, principalmente de alimentos e bebidas já estão olhando pra isso, como uma opção de permitir que as pessoas vejam os produtos em suas casas e direto da experiência de realidade aumentada, tem um botão comprar.
Um de nossos clientes de Londres, a empresa de cosméticos Charlotte Tilbury, adotou a tecnologia para levar o teste de maquiagens para dentro do Facebook. Por lá, os usuários testavam o batom através da realidade aumentada, e se clicassem no botão “comprar” chegavam no e-commerce para concluir a compra.

IoT40: A empresa aposta num approach popular, tipo Extra, Casas Bahia; ou vai buscar mesmo o mercado de luxo sofisticado de iates, jatos particulares, carros de luxo entre outros?

MT> A More Than Real é uma empresa que oferece para o mercado experiências de tecnologias imersivas, independentemente de ser um mercado de luxo ou não. O nosso objetivo é popularizar a tecnologia e fazer com que ela participe do core business das empresas. Todas as marcas que querem oferecer experiências de compra e engajamento aos seus clientes podem contar com a More para isso. Tem como fazer uso da Realidade Aumentada de um jeito que é barato, com experiências simples e que impacta, e queremos que seja um valor acessível exatamente para que as empresas passem a adotar no dia a dia, como ferramenta de aumento de conversão, seja no ponto de venda (PDV), no e-commerce e onde mais as empresas acharem pertinente.

IoT40: E como fica o uso desta tecnologia num ambiente de internet banda larga sofrível como o do nosso país? Não há risco de tudo ficar, de repente, congeladão?

Exemplo de tecnologia utilizada na campanha do Trident

MT> Não, não há risco de tudo ficar, de repente, “congeladão”. As experiências são leves, são baixadas no device (equipamento) antes de rodarem. Por exemplo, se você está no Instagram e abre um filtro, esse filtro não vai travar. Mesmo que ele tenha três megas, ele primeiro é baixado para o seu smartphone – o que pode levar alguns segundos – e depois você vai usar. A mesma coisa acontece para as experiências de web, que são as que rodam em navegadores. O mesmo aconteceria, por exemplo, se fosse projetar um carro em tamanho real, realista na frente do usuário, não terá risco. Essa aplicação é rápida de baixar e funciona até mesmo se estiver em uma conexão 3G.

IoT40: Muitas empresas do comércio varejista devem quebrar financeiramente, porque o baque da Covid-19 foi forte. Vocês acreditam que nesse ambiente de retomada das atividades as empresas vão investir de imediato nestas novas tecnologias?

MT> Com certeza. Ouvimos das empresas que elas precisavam investir em novas tecnologias, e nos pediram ajuda para que elas pudessem encontrar melhores caminhos para se aproximar de seus consumidores. É nessa hora que a Realidade Aumentada pode ser usada com muita maestria. Como eu disse, a gente coloca o produto em 3D, realista, como se ele tivesse na casa da pessoa, pela câmera do celular. O consumidor vê o produto materializado como se estivesse de fato ali na sua casa.

Estamos fazendo uma prova de conceito para uma grande empresa de eletrônicos para um modelo de uma TV que permite também que o consumidor veja ela em tamanho real, diretamente em sua parede ou estante da sala. É quase imperceptível ver que, de fato, a TV é um objeto virtual. Esse tipo de demanda está vindo de várias verticais de diversos segmentos. As empresas entendem que precisam investir em novas tecnologias e a Realidade Aumentada está se mostrando uma possibilidade viável para oferecer experiência e engajamento da marca com seu público.