Pesquisa da MarketsandMarkets estima que até 2021 o mercado de reconhecimento de imagem movimente R$ 38,92 bilhões de dólares

Empresa de segurança eletrônica investe 40% a mais para incluir em seu portfólio câmeras com software de reconhecimento facial e identificação do uso de máscaras

São Paulo, 16:06 15/07/2020 – A pandemia do novo coronavírus tem causado enormes desafios para o setor de segurança eletrônica. Nos últimos meses a demanda por tecnologias baseadas em soluções que detectam simultaneamente a temperatura de várias pessoas, direcionando a aferição mais precisa apenas para indivíduos que apresentarem temperatura elevada cresceu consideravelmente.

Mais recentemente, câmeras com softwares de reconhecimento facial que identificam por meio de inteligência artificial o uso de máscaras ganharam destaque para contenção da pandemia. Isto porque, utilizar este equipamento de proteção se tornou obrigatório em lugares públicos e privados e o não uso pode acarretar em multas aos estabelecimentos. Segundo a empresa de pesquisa MarketsandMarkets, estima-se que até 2021, o mercado de reconhecimento de imagem chegue a R$ 38,92 bilhões de dólares.

Com soluções diferenciadas e completas, empresas especializadas em segurança eletrônica estão se reinventando para suprir este novo normal que anseia por estabelecimentos covidfree. É o caso da Dealer Shop, Distribuidora de Soluções em Projetos e Produtos de Segurança Eletrônica que investiu 40% a mais para incluir em seu portfólio câmeras que utilizam inteligência artificial para o reconhecimento do uso de máscaras faciais ou aglomeração de pessoas que não respeitem o distanciamento social.

Como diferencial, a empresa é a primeira do setor a dispor em sua sede, na capital paulistana, de um Centro de Experiências inovador dedicado aos clientes para que possam testar estas novas soluções tecnológicas, a partir de cenários que simulam de forma prática seus estabelecimentos.

O surgimento desses analíticos de vídeos só foi possível a partir da evolução dos algoritmos de visão computacional e inteligência artificial que permitiram um aprendizado constante e, por consequência, o aprimoramento dos índices de detecção, ou seja, com o passar do tempo o software aprende que as máscaras possuem tamanhos, formatos, texturas e cores diferentes e a partir desse aprendizado profundo, consegue inclusive saber se a máscara está sendo utilizada corretamente ou apenas pendurada no pescoço.
Os resultados do investimento da Dealer já são positivos; a distribuidora paulistana identificou um crescimento de 70% nas consultas sobre as tecnologias de reconhecimento facial e uso de máscaras. O Diretor Comercial, Rubens Branchini, contou que os clientes mais interessados são do comércio de varejo.

“Entendemos que a COVID-19 trouxe o novo normal, onde a segurança é e será imprescindível para a reabertura dos negócios no país, por isso, seguimos atentos no mercado disponibilizando o que há de melhor e mais atual em tecnologia para promoção de espaços covid-free”, afirma o executivo da empresa, que além de soluções de reconhecimento facial, dispões de soluções de segurança remota, serviços de portaria, vigilância e atendimento aos usuários.